5 de julho de 2010

DINHO OLIVEIRA, aquele abraço!

Bem que eu poderia deixar passar em branco, mas não posso. A vitória da quadrilha Tradição Luziense aqui em Belém não merece uma única postagem pela grandiosidade que foi para o nosso município.


Há dias tenho me perguntado quando tenho entrado elido as postagens feitas pelo Dinho no blog Cultura Luziense, página que divulga os seus feitos junto ao grupo Cultural de mesmo nome. Eu que estive com ele para uma entrevista no inicio de junho e lhe fiz uma pergunta sobre a sua volta à Santa Luzia. Para mim que já estou na capital há algum tempo e ganho a vida por aqui, era incoerente ver o Dinho de volta ao 47 sem muitas perspectivas e sem muito apoio e motivações.

Ele morava por aqui e a gente sempre se encontrava nessas idas e vindas nas ruas e shoppings da capital e eu sabia que ela estava bem por aqui. Tinha carro, morava de aluguel,mas sem muitas dificuldades, era um rapaz cuidadoso, muito vaidoso e sempre muito bem arrumado e cheiroso. Tempos depois, numa viagem que fiz ao 47 o encontrei tentando a vida numa Lan House pequena num pontinho alugado e conversamos sobre os seus motivos. Depois de um tempo ele mesmo me encontrou na praça da Matriz e me fez um convite para conhecer o seu projeto. Eu disse que ia mas acabei não tendo tempo. Outra vez decidi que iria lá para uma reportagem já que a quadra junina estava chegando e eu precisava de uma boa matéria para o blog.


Me surpreendi. Adentrei a vila de pequenos kit nets e vi o meu amigo trancafiado ali junto de um grupo de meninos e meninas fazendo pinturas, desenhos, roupas, desejos, sonhos, ideias, revoluções culturais. O Dinho se disse feliz, me mostrou tudo na maior felicidade, tem grandes pensamentos, luta pro muitas melhorias e tem se dedicado tanto aos seu projetos que muitas vezes esquece de si próprio. “Muitas vezes deixo de comprar roupas, porque a conta no seu Neto extrapola os limites. É que os meninos vêm pra cá e a gente fica trabalhando, estudando e chega uma hora que a fome bate e o jeito é pegar um suco, um pacote de bolacha, um refrigerante e assim vai”, me disse ele com um sorriso sem graça no rosto.


A vida do Dinho em Santa Luzia não é muito fácil não, mas ele nasceu pra coisa, gosta do que tem feito e é sempre muito otimista. Cheio de vontade e projetos lindos, mas para os quais encontro uma barreira que é a falta de dinheiro, ajuda e patrocínio. “ Me surpreendi com o Edson Farias, Junia, ele e um parceirão, tem sido amigo e ajuda sempre que posso. Tenho buscado ajuda de todos os lados e as pessoas têm acreditado no meu trabalho porque ele tem dado certo!”, me disse empolgado!

Para a conclusão das roupas e assessórios da quadrilha ele contou com a ajuda de muita gente, alguns comerciantes, a prefeitura Municipal, o empresário edinaldo Lucena e alguns vereadores, mas sua renda mensal, o que permite sua permanência no município é pago pelo deputado Adamor Aires que foi quem primeiro lhe deu apoio na cidade. O dinheiro é uma ajuda de custo para o pagamento do aluguel do centro cultural e para manter algumas atividades esportivas que o grupo também tem como ideal.


ESTAMOS TODOS MUITO ORGULHOSOS DE VOCÊ, PARCEIRO! MESMO! Gostei da vitória, desejei isso pelo seu esforço, pela sua dedicação e pela sua ajuda que e fundamental para que muitos adolescentes e jovens não se desguiem para o submundo do caos social e da violência. Seu trabalho merece aplausos, sua dedicação merece bis do público e sua coragem é invejável. Chegaste e conquistaste o teu espaço mesmo com todas as dificuldades que a mim confessaste.


SORTE nos planos, SUCESSO nas empreitadas, VITÓRIAS nos projetos e que Deus te abençoe.

Parabéns, Dinho, essa vitória é de todos aqueles que estiveram contigo e da turma que sempre tem confiado no teu trabalho e na tua competência! Que novas barreiras venham e que tu as escale para mostrar a todos a tua criatividade e capacidade.

Um comentário:

Dinho disse...

Obrigado minha amiga Júnia por seu reconhecimento! A pouco saí pelas ruas de nossa querida Santa Luzia e recebia muitas felicitações pela conquista e tem sido assim desde a noite da 5ª feira passada, quando recebi e divulguei o resultado final do concurso da FUMBEL.
Eu sempre acreditei no talento da gente luziense; é mais uma questão de oportunidade! Com isso mostro que vale a pena investir na cultura de nossa gente. Muito felizes, nós da Quadrilha Tradição Junina, nossos colaboradopres, patrocinadores e simpatizantes, escrevemos uma importante página da história junina de Santa Luzia do Pará. Parabéns à Tradição Junina e infinitos agradecimentos à todos que acreditam neste projeto! Um abraço e obrigado pela bela matéria.